Make your own free website on Tripod.com
Home | Entrevista com o Rabino Elisha Salas | Turismo - Cátia Vanina em Israel | Marranos: o difícil caminho para casa | Mitos e Fatos | Ponto de vista Marrano ! | O anti-semitismo na Rússia | Julgamento de Saddam Hussein | Politico | Nota de Repudio | A cultura do ódio e da destruição... | Entidades judaicas do Paraná... | Prêmio Nobel de Economia de 2005 | B'nai B'rith e SOS Racismo ... | Arrecadação de Alimentos | Encontro Tematico na B'nai Brith | Morte de Simon Wiesenthal | FISESP e Unibes... | Leilão Beneficente | Ph.D em Judaísmo... | O veneno do mel de Gibson | Bereshit: sonho ou realidade? | Ódio Suicida | Morrem brasileiros | Morrem brasileiros | Primeira Sinagoga das Américas/PE - SELO | Memoria | Mid

Bnei Anusim

Morrem brasileiros

Morrem brasileiros

 

Osias Wurman

Publicado em 30 de Julho de 2005 no jornal O Globo, Opinião

 

O mundo começa a entender que, se providências enérgicas não forem tomadas contra o terror suicida, por todas as sociedades amantes da paz, muito em breve teremos que conviver numa atmosfera de violência, medo e repressão, inédita após a Segunda Guerra Mundial.

 

Desde o atentado ao World Trade Center, em setembro de 2001, até o recente episódio no metrô londrino, foram mortos nove brasileiros civis inocentes que não participavam de qualquer atividade bélica. Em Nova York, no ano de 2001, morreram cinco imigrantes do Brasil, legalizados, e um número desconhecido de clandestinos que trabalhavam como biscateiros ou engraxates nas torres gêmeas.

 

Passaram-se dois anos e, em 2003, num covarde atentado em Bagdá, capital do Iraque, explodiram a sede das Nações Unidas, matando o Alto Comissariado para os Direitos da ONU, embaixador Sérgio Vieira de Melo, um dos mais talentosos negociadores e humanista, de renome no mundo diplomático.

 

No ano em curso já temos três motivos a lamentar. Em janeiro, o engenheiro João José de Vasconcelos, que trabalhava numa empreiteira brasileira dedicada à reconstrução do Iraque, foi morto numa emboscada. A crueldade dos terroristas que agem diariamente na região impediu que o corpo da vítima fosse devolvido ao Brasil. Inicialmente pediam um resgate de um milhão de dólares para devolver um ser humano que supostamente tinha sido apenas seqüestrado. Hoje, pedem US$ 400 mil para entregar o corpo deste trabalhador civil, pai de família, covardemente assassinado.

 

Há poucos dias, uma jovem brasileira de 22 anos, estudante de comunicação, moradora numa comunidade agrícola no Sul de Israel, foi mortalmente atingida por um míssil Qassam, lançado de Gaza por terroristas palestinos que desejam sabotar os avanços em direção à paz na região. Dana Galkovitz estava sentada na varanda de sua modesta casa e teve morte instantânea. Foi sepultada no cemitério do kibutz Bror Chail, uma fazenda coletiva que abriga uma maioria de brasileiros dedicados ao ideal sionista e socialista.

 

O destino foi mais generoso com os 250 atletas brasileiros que participavam dos jogos olímpicos judaicos - Macabíadas - realizado, na semana passada, em Israel, reunindo seis mil atletas judeus de 55 países. Muitos brasileiros, atletas e acompanhantes, estavam hospedados na cidade de Netania, onde um terrorista suicida foi barrado na entrada do maior shopping center da cidade e então acionou seu cinto-bomba, matando dois israelenses e ferindo dezenas de civis.

 

A mais recente vítima brasileira, não diretamente abatida por terroristas, mas por culpa do terror implantado por estes, foi o eletricista Jean Charles de Menezes, de 27 anos.

 

Apavorada pelo clima de pânico que dominou a cidade de Londres, na última sexta-feira, a mais dócil e democrática polícia do mundo, cujos policiais evitam usar armas (apenas um em 15 está armado), foi obrigada a implantar um estado de alerta total, com ordem para matar qualquer suspeito de terrorismo. A morte de Menezes teve testemunha de uma execução brutal: deitado no chão, ele levou diversos tiros na cabeça. Este episódio é um retrato fiel do que representa o trauma de uma sociedade aterrorizada por suicidas assassinos.

 

O terror em nossos dias é um crime globalizado e deve ser combatido por todas as nações democráticas, antes que o fundamentalismo criminoso venha a prevalecer na formação das futuras gerações.

 

Morrem brasileiros. Que não seja em vão.

Enter content here

Enter content here

Enter supporting content here